O joelho normal

Provavelmente você nunca parou para pensar nisso: “Mas, afinal, como funciona o meu joelho?” Normalmente a gente nem se lembra de que ele existe, até que alguma coisa aconteça, então, passamos a perceber o quanto é importante e a falta que um joelho saudável nos faz…

Mas, afinal, como funciona o meu joelho ?

Para responder essa pergunta de forma mais didática, vamos dividir a resposta em três etapas:
1 – Parte óssea
2 – Partes moles
3 – Mecânica.

1 – Parte óssea

É composta por três ossos: Fêmur, tíbia e patela (rótula). A parte inferior do fêmur é formada por duas proeminências arredondadas chamadas côndilos. Já a parte de cima da tíbia é composta por duas superfícies mais planas, por isso conhecidas como planaltos ou platôs. A patela tem um formato triangular, mais largo na parte alta e mais estreito na parte mais baixa. Nas zonas de articulação, as extremidades ósseas são revestidas por uma cartilagem, chamada articular.

Observe, na figura acima, que no joelho não existe um encaixe firme entre o ossos. Isso o torna completamente dependente das suas partes moles e muito vulnerável a lesões.

2 – Partes moles

Vários grupos de tecidos moles estão presentes no joelho e têm sua importância no funcionamento da articulação.

– Músculos e tendões (principais): Na frente temos o poderoso quadríceps com o seu tendão quadricipital e tendão patelar, com a função de esticar o joelho. Atrás temos o poplíteo e o gastrocnêmio, o mais forte da panturrilha. No lado interno, tem-se o conjunto conhecido como “Pata de Ganso” e, na parte externa, um feixe chamado iliotibial.

– Ligamentos “de fora”: Fora da junta, o joelho é estabilizado por uma cápsula e por dois ligamentos nas laterais, por isso conhecidos como colaterais. O mais interno é chamado medial e o mais externo, lateral.

– Ligamentos “de dentro”: São os famosos ligamentos cruzados. O mais para frente é chamado anterior (LCA) e o mais atrás, posterior(LCP). Saiba mais sobre o LCA aqui.

– Meniscos: Duas estruturas (medial e lateral) em formato de meia-lua que amortecem e ajudam a estabilizar o joelho. Saiba mais sobre os meniscos aqui.

3 – Mecânica do Joelho

Aparentemente o joelho atua apenas como uma dobradiça, certo? Errado. Ele vai muito além disso. Sua anatomia bem elaborada permite que outros movimentos aconteçam num “simples” dobrar e esticar a perna. Durante o movimento, os ossos do joelho combinam movimentos de dobradiça, deslizamento e rotação. Partindo do joelho esticado, nos primeiros 20 graus o principal movimento é de rolagem. A partir desse ponto, inicia-se um deslizamento e a tíbia começa a rodar para dentro. Espera-se que um joelho normal dobre cerca de 140 graus!
A patela também tem um comportamento bastante característico. Com o joelho esticado, ela fica mais alta e acima da cartilagem do fêmur. Aos 10 graus, começa a tocar a cartilagem e, aos 30 graus, atinge a parte mais profunda da cartilagem do fêmur nesta região. Quanto mais se dobra o joelho, mais pressionada a patela fica contra o fêmur!

Veja a animação abaixo de autoria do City Clinic on Youtube: