Até que ponto a joelheira estabilizadora beneficia o seu joelho durante a prática esportiva?

Design inovador, leve, durável, modelagem anatômica e ajuste perfeito para prevenção e recuperação de lesões. É o que dizem os fabricantes das joelheiras! Mas, afinal, o que diz a literatura médica sobre o assunto?

Inicialmente é preciso saber que existem vários tipos de órteses para joelho no mercado.

Principais tipos de órteses e suas funções:

  • Órteses de reabilitação: Protegem os movimentos no pós-operatório.
  • Órteses funcionais: Proporcionam estabilidade para o joelho instável.
  • Órteses profiláticas: Destinam-se à prevenção de lesões em um joelho normal.
  • Órteses de descarga de peso: Melhoram a função em joelhos com artrose unicompartimental.
  • Órteses patelofemoral: Auxiliam a estabilização da patela (rótula).

Assim, fica claro que órteses diferentes tem funções diferentes! Não adianta comprar uma joelheira qualquer e usar de qualquer jeito, pois você não terá resultado. Buscar nas órteses uma solução para uma dor sem diagnóstico pode mascarar lesões e tendinopatias, trazendo sérios danos a sua saúde.

O uso adequado da joelheira depende do objetivo. No pós-operatório de algumas cirurgias, as órteses de reabilitação vão estabilizar o ligamento operado, facilitando a reabilitação. O ajuste permite a restrição do arco de movimento de acordo com o tolerado por aquele joelho em específico. Aqui, não existe “receita de bolo”, apenas quem viu o seu joelho por dentro tem noção de quanto movimento ele pode tolerar. O mesmo vale em para alguns casos de instabilidade ligamentar leve e alguns tipos de artrose limitada cujo tratamento não é cirúrgico. Apenas o médico, após avalição clínica detalhada e individualizada, pode inferir sobre o real benefício de uma órtese.

Sobre a pergunta do título, até que ponto há benefícios do uso da joelheira, durante a atividade física, um estudo americano dividiu 11.752 jogadores de futebol americano em dois grupos, um com órtese e outro sem, e acompanhou-os durante um ano. Resultado: os jogadores com órteses tiveram mais lesões que os sem órteses ! Isso significa que o uso rotineiro de joelheiras em joelhos normais, além de causar desconforto, pode comprometer as suas atividades e ocasionar mais lesões.

Alguns estudos específicos de determinada atividade física mostraram resultados satisfatórios com o uso de órteses. É o caso da Academia Militar Americana. Nesta, o índice caiu de 3,4 lesões a cada 1000 cadetes para apenas 1,5 após uso de órteses!

Percebemos, então, que o uso das órteses para joelho são restritos a algumas situações. O uso indiscriminado deve ser evitado, sob risco de agravar lesões pré-existentes ou piorar quadros inflamatórios. Por outro lado, quando há indicação médica precisa, pode trazer alívio, conforto, e segurança.